Oldney Lopes

Pensamentos esculpidos em contos, crônicas, mensagens e poemas

Textos


DE NOVO, O ESPELHO

Insistentemente
Ele se põe em minha frente

Tento aboli-lo dos meus versos
Mas ele sempre ressuscita
Na morte das inspirações

E no velório das rimas
É tudo o que há de novo
É tudo o que há, de novo

Mostra-me indagações
Para as quais talvez
Eu não queira respostas

Eu nunca sei se ele está
Gritando verdades doloridas,
Sussurrando ironias atrevidas
Ou bendizendo mentiras desejáveis

Talvez a voz dele
Seja o eco da minha voz
No vazio que há entre nós

Num duelo interminável
Defrontamo-nos:
Ele com imagens
Eu com imaginações
Ele com reflexos
Eu com reflexões
Algum de nós com aparências
Algum de nós com transparências

Do brilho dele contra a minha opacidade
Entre o ilusório e a realidade,
Entre o delírio e a sanidade,
Fantasiamo-nos de rei e plebeu

E eu decreto:
Morte ao espelho,
Que o rei, aqui, sou eu!
Oldney Lopes
Enviado por Oldney Lopes em 11/06/2007
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Oldney Lopes - www.oldney.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras