Oldney Lopes

Pensamentos esculpidos em contos, crônicas, mensagens e poemas

Textos


SONETO DE AMOR À FLORBELA

                                        “E esta ânsia de viver, que nada acalma,
                                        É a chama da tua alma a esbrasear
                                        As apagadas cinzas da minha alma!”

                                                                 Florbela Espanca, em “Eu”


Este amor que enxergo e que me cega
Que vivo e que me mata, é amor carrasco
A um tempo só é amor , veneno e asco
Espinho agreste, flor que se não pega

É um louco amor que vive estando morto
Como ainda vive o rei Dom Sebastião
E quer o sim, já tendo ouvido o não
Quer todo o mar sem ter deixado o porto

Mas torço ainda, amor, que venha a mim
Para cumprir o gozo do destino
Ainda que seja tarde, há de vir!

E vindo, então, encontrará, enfim
Um coração batendo em desatino
Sob as areias de Alcácer Quibir!
Oldney Lopes
Enviado por Oldney Lopes em 29/03/2007
Alterado em 31/03/2007
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Oldney Lopes - www.oldney.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras