Oldney Lopes

Pensamentos esculpidos em contos, crônicas, mensagens e poemas

Textos


MARAGRESTE

Ganhei de ti todo o oceano atávico
Do pranto que chorei no teu adeus
Das ondas que encharcaram os olhos meus
Das ancestrais lembranças de amor mágico

De tanta dor o pranto me reveste
Que, mesmo náufrago do meu chorar
Sou um deserto inóspito no mar
Tão vasto quanto a imensidão celeste

Mas seco o pranto, antes que me desgrace
Apago qualquer choro que ainda reste
Guardo no bolso o mar que tu me deste.

Porque no pranto é que a estiagem nasce:
A mesma lágrima que orvalha a face
No coração faz território agreste.
Oldney Lopes
Enviado por Oldney Lopes em 16/08/2007
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Oldney Lopes - www.oldney.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras